Motores wankel

Ainda sobre o motor rotativo da Mazda (wankel)
Um seguidor perguntou-nos o seguinte:



"Toda a gente ficou admirada com os motores tsi 1.4 da VW quando saíram, porque debitavam imensos cavalos, para um motor de baixa cilindrada. O Wankel, é apenas um 1.3 e debita 230cv, ainda mais espantoso é. Além disso gostava de saber porque foi descontinuado visto, que sendo baixa cilindrada pagava menos imposto"

Motor wankel


O motor rotativo Wankel é espetacular, o problema são as emissões. Sendo este bastante poluidor.
Devido ás normas apertadas de hoje em dia, duvido que o motor rotativo tal como o conhecemos se conseguisse afirmar de novo. Nem as normas IV consegue cumprir, hoje em dia, e já vamos a caminhar para normas VI.
Talvez no futuro consigam ultrapassar isso. Já se falou em substituir pelo,  Quasi-turbine, que tem funcionamento semelhante, mas que se diz  muito mais eficiente. Na teoria é a evolução do motor Wankel. O motor Quasiturbine já teve alguns usos práticos. Desde 1997 vem sendo empregado em motosserras pneumáticas. O seu baixo nível de vibrações pode prevenir o surgimento da doença de Raynaud (ou Síndrome da vibração).
Funcionamento do Quasiturbine



Além disso esse motor requer bastantes cuidados, prevenção preventiva muito apertada. O nível de óleo deve ser constantemente vigiado, têm que se ser mesmo atento, a cada 2000km, sendo que este tende a descer.
A Mazda aconselhava a  nunca desligar o carro sem este aquecer devidamente; ou seja, pegar no carro para ir ao supermercado que fica ali a 3km, estava fora de questão, além do programa de revisões ser  nem toda a gente sabe mexer com motor Wankel, e por fim, os consumos são um bastante altos para a época em que se vive, sendo que hoje compete-se por consumos.
 No entanto um motor a gritar ás 9200 rotações compensa tudo isso.

O GRANDE problema dos motores Wankel e que a mazda, por si so, nao consegue fazer tudo. Se outras marcas se emprenhassem em continuar com o projeto, talvez o motor evoluísse.

O mazda RX8 foi um carro que foi construído por pessoas que amam automóveis e adoram conduzir, feito claramente por entusiastas para entusiastas.
Só para se ter ideia, o motor até ás 5000rpm, ainda é um cordeirinho, só após é que se torna no verdadeiro monstro.


A Mazda já desde 1967 que desenvolve motores rotativos, mas foi nos anos 80 e, em 1991, que percebeu a chegava a altura dos seus progressos em pratica, a competição. Com uma carroçaria leve em fibra de carbono e um motor com quatro rotores, o Mazda 787B venceu as 24 Horas de Le Mans, naquela que é considerada uma das maiores surpresas de sempre da emblemática corrida. Mesmo que não constituísse surpresa para os engenheiros do RX-7 ou para os seus proprietários em todo o mundo. Como o carro utilizava um motor menor que os adversários, foi autorizado a andar com um peso menor que os concorrentes.

Enquanto os concorrentes como a  Jaguar utilizavam V-12 de 7,4 litros, os Mercedes V-8 de 5 litros e lá no meio da lista de inscritos, um certo carro japonês equipado com um pequeno motor de 2,6 litros. Infelizmente foram posteriormente proibida a participação de motores wankel, porque não dava qualquer hipótese á concorrência.
Mazda 787B




No entanto um motor convencional a pistons, também consegue fazer 9000rpm, só que, as marcas não se querem dar a esse trabalho por vezes. Veja-se o caso do O F20C do S2000 faz 9000rpm, á vontade. Mas existem rotary engines a fazer 12.000rpm, ai já entramos noutro patamar. Mas talvez seja por isso, que o desgaste seja mais acentuado, o "vicio" de andar em altas rpm's acentua depois o desgaste.


Para este tipo de motores vingar, era necessário as marcas começarem a desenvolver e a investigar, a usar este motor com sucesso em larga escala .
Mas no entanto o motor rotativo tem vindo a ser utilizado. No salão de automóveis de Genebra 2010 a Audi apresentou um carro conceito, o Audi A1 E-tron, em que utiliza um motor Wankel que serve para recarregar as baterias quando não se pode conectar o veículo a uma fonte externa. O motor rotativo vem montado na traseira, atrás do jogo de baterias de lítio e é capaz de uma autonomia de 50 km. È apenas um compacto rotor de 254 cm³ mas faz 5.000 rpm constantes. Além que na aeronautica, motos, karts, jet ski, utilizam mecanismos semelhantes. Mas apenas utilizado como micro mini motores, a sua simplicidade do Wankel torna-o adequado para estes casos em particular.

Sobre os imposto, essa questão têm que se lhe diga. Em Portugal a cilindrada de um motor rotativo é contado duas vezes, ou seja, paga como se fosse um 2.6 litros  (1.3 x 2 = 2.6 litros)
Por isso essa questão de ser 1.3, pagar menos imposto, nahhh.

1 comentário:

  1. A organização das 24 h de Le Mans só ganhava com a permissão dos Mazda 2,6 l poderem competir com as marcas que apresentam os v8 ou os v12 ou qualquer outra motorização convencional, rotativa, existente ou ainda em fase experimental.

    ResponderEliminar

Obrigado por comentar. O seu comentário é muito útil e importante para que este blog seja actualizado. Porém existe algumas coisas que devem ser bem claras para os comentários:

-Não use palavras de baixo calão
-Os comentários são moderados, portanto seja educado com os comentários.
-Comentários com perguntas serão respondidas nos comentários no blog.
- Por favor não plagie, caso precise de retirar informação deste blog, não se esqueça de colocar a fonte.