7 razões para não conduzir um diesel na cidade





Atualmente diz-se que os automóveis movidos a diesel, consomem menos! Isso irá certamente refletir-se na carteira dos proprietários. Além disso emitem menos CO2 para atmosfera.
Mas é bom que o leitor saiba que os diesel modernos não consomem menos em cidade, comparando com um carro a gasolina. Além disso, se você conduz a maioria dos quilômetros em cidade, saiba desde já que se o seu automóvel estiver equipado com filtro de partículas, se avizinha uma avaria do mesmo muito dispendiosa, alias, as reparações e revisões dos diesel são mais caras comparando com veículos a gasolina. Basicamente só compensa ter um diesel se você faz os quilômetros em auto estrada e se faz mais de 20.000km anuais.

Saiba desde já que não sou anti-diesel.
Alias eu tenho um diesel, cometi provavelmente o mesmo erro que vocês. Não queremos influenciar na sua próxima compra. Apenas vamos alertar para algumas particularidades, coisas que provavelmente o vendedor do concessionário não lhe disse.
Já conhece a tecnologia adBlue? a nova tecnologia, anti-contaminação, que irá equipar muitos diesel brevemente.

Razão 1
Sabia que a maioria dos portugueses fazem cerca de 12.000km por ano? Se assim é, porque razão 2 em cada 3 automóveis são a diesel?

Razão 2
A cidade não é só inimigo dos diesel, mas sim também da maior parte dos componentes mecânicos do seu carro. Acelarações, viagens curtas, semáforos, travão, engrenar primeira, travar, embraiagem, tudo isto é mais prejudicial do que fazer uma viagem em 6ª velocidade a velocidade de cruzeiro.
Além disso, a cidade e o seu transito acaba por prejudicar, "entupir" o filtro de particulas dos modernos diesel. Estes filtros são nossos inimigos? não, de todo. Eles foram inventados para que o ar que respiramos possa ser de melhor qualidade. Só que estes precisam de regenerar, ou seja precisam de vez em quando de uma visita á AE e fazer uma viagem para atingir as temperaturas para regenerar.
Mas além dos filtros de particulas, existem também as EGR e admissão que acabam por ficar quase que entupidos com tanto carvão acumulado.

Razão 3
A maioria dos proprietários desconhece a tecnologia dos seus veículos, não sabem que hábitos de condução devem adotar de modo a vir a poupar a mecânica.
Os automoveis Diesel além de serem equipados com filtro de particulas, são equipados com motor turbo. Já falamos aqui neste blog sobre os cuidados a ter com turbo; aqui

Razão 4
Nos diesel modernos foram implementadas várias tecnologias novas, de modo a respeitar as emissões de CO2 e diminuir o consumo, mas tanta tecnologia fez com que perdesse em fiabilidade.
Já lá vai o tempo dos diesel á prova de bala, mas lembra-se que esses não tinham turbos, nem EGR, nem DPF.

Razão 5
Restrições vão ser cada vez mais apertadas, para principalmente diesel mais antigos.
Na Europa, existem partes de algumas cidades, onde é proibido circular com automóveis sem filtro de particulas, porque a quantidade de CO2 libertado é exagerada nessa zona em particular.

Razão 6
Diesel cada vez mais caro
Os diesel vão ser os que mais vão sofrer com a questão do meio ambiente. Mais impostos e provavelmente num futuro próximo pode até acontecer que o diesel esteja ao mesmo preço que a gasolina ou até mais caro.

Razão 7
Existem alternativas tão boas como os diesel

Motores de gasolina com turbo: agora equipados com turbo, os seus consumos estão cada vez mais próximos dos diesel modernos. Em cidade começam mesmo a ser mais poupados.

Motores tricilíndricos: Nova moda que as marcas estão aderir, também igualmente equipados com turbo, são motores muito bem construídos e não pense que a fiabilidade é comprometida por ser apenas de 3 cilindros.

Motores atmosféricos: Um atmosférico pouco potente, pode vir a ser um "bêbado" fora da cidade, principalmente em altos regimes. Mas um atmosférico dentro da cidade, para fazer poucos quilometros é sempre uma opção válida.

Motores híbridos: Não são baratos. Mas começam a ser também uma moda.

Motores eléctricos: A sua autonomia é baixa, são ainda caros e requerem que haja sempre uma ponto de recarga por perto. Mas são o futuro.

Os 25 carros mais belos de sempre

Belo: adj./interj. belo/ adj. Em que há beleza. Que é perfeito para o fim a que se destina. Que satisfaz cabalmente os nossos desejos ou prazeres. Escolhido, distinto.

Todos nós que gostamos de carros, sabemos que um automóvel não é apenas um simples meio de transporte, um automóvel é uma peça de arte com rodas para ser mostrado a toda a gente.

25 - Bugatti Type 35 (1924-1927)

Ettore Bugatti defenia-se a si mesmo como um artista, artista construtor de automóveis. Todos os carros da Bugatti tem um certo charme feminino, tal como uma mulher bela que vê apenas durante uns instantes, mas que jamais teimamos esquecer. A Bugatti é assim, quando se vê um, nunca mais se esquece.
A paixão do seu fundador pelo requinte, pela engenharia e pela competição está bem presente em cada um dos seus modelos. Infelizmente, a morte de Ettore Bugatti em 1947, oito anos depois do desaparecimento do seu filho, quando testava na pista junto á fabrica, wm Molsheim, França, viria a ditar também, o fim prematuro de uma marca cuja a produção ficou pelas 8000 unidades.

"O Bugatti Type 35 é o mais inovador e elegante carro de grande prémio de sempre"
Shiro Nakamura - vice presidente e director criativo da Nissan

24- Porsche 356 (1948-1965)

O primeiro carro de produção da Porsche é, ainda hoje, um dos mais elegantes de sempre. De tracção traseira e motor montado atrás, o 356 era leve, bem construido e tinha excelente manobralidade e aerodinâmica, que faziam deste irmão desportivo do VW Beetle um carro ideal para conduzir tanto em estrada como na pista. Conquistou inumeros fãs ao longo do tempo, nas versões coupé e cabriolet.

"Um clássico do design que sobrevive até hoje entre os desportivos da Porsche"
Gordon Wagener - Director de design da Mercedes-Benz

23 - Lamborghini Aventator 2011

O sussesor do Murciélago apresenta-se na arena automóvel como um touro maior em todos os sentidos. Mais largo, mais potente e com um design ainda mais agressivo, de traços agulares que fazem lembrar um caça, o aventator esconde o primeiro V12 criado de raiz desde o Miura, e um bloco de 6.5 litros com 700cv. Recorre á tracçao integral permanente e não pesa mais que 1650kg. Resultado: uma acelaração dos 0-100km/h em 2.9 segundos.

22 - Fiat 500 (1957-1975)

O citadino de 1957 foi bem recebido todas as classes sociais e étarias e fica para a história como um dos automoveis mais vendidos de sempre da Europa, não apenas pelos traços atraentes da sua carroçaria, mas também pela fiabilidade do pequeno motor de 479cc e com tracção traseira que debitava 13cv de potência. Nascido no optimismo do pós-guerra, o pequeno Fiat 500 acertou em cheio nas necessidades de locomoçãp de uma nova sociedade em crescimento, por ser acessivel, fiavel e económico. Com a graça de tudo o que é realmente pequeno, o 500 original revolucionou as formas dos carros de cidade, matéria que a Fiat já demostrava dominar antes, com o topolino.

"Simpatia sobre rodas e um marco na história da bella italia"
Walter de Silva director de design do grupo VW

21 - BMW 507

O BMW 507 é a origem dos modelos Z3 e Z4. Este automóvel quase levou a BMW à falência nos anos 50. A ideia era produzir um carro que rivalizasse com a Mercedes e Jaguar nas provas automobilísticas. O projeto de venda foi péssimo, saiu pelo dobro do preço que imaginaram vender e, a bem da verdade, não vendeu quase nada.
Foi fabricado de 1956 até 1959 e para os padrões da época, o V8 3.168 cc desenvolvia incríveis 225 km/h. Hoje em dia é super exclusivo,origem de produção artesanal.
Foram fabricadas apenas 252 unidades.

20 . Bugatti Atlantic 1936

Desenvolvido pelo filho de Ettore Bugatti, Jean Bugatti, este 57Sc Atlantic é uma obra de arte do pré-guerra, ispirado no prototipo Aérolithe apresentado em 1935 durante o salão automóvel de Paris. A intemporalidade deste supercarro do século passado, não está apenas nas suas formas e curvas da sua carroçaria, mas também nos 200cv da motorização de 8 cilindros em linha que permite alcançar os 200km/h. Dos quatro Atlantic produzidos pela Bugatti, apenas dois chegaram aos nossos dias. Um integra está na coleção do estilista Ralph Lauren e o segundo é considerado o automovel mais caro de sempre, pois o Automóvel Museum Mullin, na Califórnia, pagou em 2010 mais de 23,4 milhões de euros.

"Uma obra prima da Bugatti. Um carro com um poder e uma elegância incrivel" Thierry Metroz director de Design da Citroen

19 - Ford Shelby Gt 500

Este verdadeiro Muscle car norte americano é também uma estrela da sétima arte, onde contracenou com Nicolas Cage, Angelina Jolie no filme 60 segundos. Quando em 1967 Carroll Shelby desenvolveu este Mustang, tinha como objectivo que este ficasse entre os melhores desportivos mais poderosos de sempre. Motor V8 de 7 litros e 360cavalos com pedrigree.

18 - Ferrari F40 (1987-1991)

Uma Lenda. Desenvolvido para comemorar 40 anos da Ferrari , o F40 éra considerado um super desportivo na época. Muitos afirmam que foi o verdadeiro ultimo Ferrari Old-school. Enzo Ferrari afirmou que " Se Deus fosse um carro, ele era o F40". Desenhado por Pininfarina, foi talvez o pioneiro no que toca á redução de pesos em super desportivos, tal era que o puxador da porta era apenas um simples fio. Com um motor V8 de 478cv, tinha um "ronco" no minimo viciante.

17 - BMW I8

A BMW conseguiy fazer um carro único, incrível, com potência de um desportivo, design digno de uma obra de arte e conforto inigualável. Foi seguindo estas premissas que a BMW produziu o i8.
Além da beleza a ideia ecológica embutida numa máquina com esta perfomance é de louvar.
 O BMW i8 tem 362 cavalos de potencia e um “arranque” de 0 – 100 em apenas 4,4 segundos. A BMW provou ao mundo que os desportivos podem estar ligados questões ambientais sem comprometer a perfomance. Avé BMW


16 - Alfa Romeo 4C

Se você não gostar deste carro, não gosta de sí. Conhecido pelo bom gosto italiano, no que se refere ao design. O Alfa Romeo 4C foi eleito o “Automóvel mais belo de 2013”, através de um inquérito online europeu promovido pela «Eurosport» em parceria com «International Automobile Festival».
O motor do 4C é um 1.8 com 240cv. Pesa apenas 820 kg! O sprint dos 0 aos 100 ficará abaixo dos 5 segundos e a velocidade máxima é limitada a 250km/h. A tração traseira!
Este modelo ditou o regresso da Alfa Romeo aos desportivos, onde a paixão pela velocidade e desenho inconfundível pretendem marcar mais uma vez a história da marca. Sem duvida um verdadeiro carro com «cuore sportivo»!


15 - Aston Martin One-77

A lendária marca inglesa enviou o seu motor V12 para a cosworth e pediu que ele viesse mais "apimentado", o resultado? 750 cv de potência e 15% mais leve. È um gentleman mas ... bruto, rápido e exclusivo. È alias o carro mais rápido desenhado pela Aston. O chassis utiliza fibra de carbono processos de fabrico tal como na aeronautica. Ora isto resulta só em 350km/h em 3,7 segundos dos zero aos 100 e 1,6 milhoes de euros, caso tenha essa quantia não deixe de o comprar.

14 - Alfa Romeo 33 Stradale (1967-1969)

Se lhe disser que este carro é dos anos 60, acreditava? O Stradale era o automovel de competição  para a estrada da Alfa. Desenhado por Bertone, de linhas bem arredondadas com um design incofundivel.

13 - Aston Martin DB5 Zagato

My name is Bond, James Bond! Já o reconheceu certo? foram feitas pouco mais do que 1000 unidades. Com um motor de 282cv e 6 cilindros, foi produzindo entre 1963 e 65. Que pinta de carro..

12 - Porsche 911 964 (1989-1993)

Espetacular e intemporal. A Porsche sempre se preocupou com a opinião dos seus fãs, e estes fãs são dos mais aficionados que o mundo automovel já conheceu. O 964, foi recebido com alguma desconfiança, julgava-se que agora com airbag duplos, eram coisas de senhora, o verdadeiro purista questionava-se se ainda teria a eficácia e desportivismo de outrora. Claro que têm, hoje ninguém se questiona quanto a isso, ainda hoje o conheço só pelo som do motor!


11 - Ferrari 250 GT california Spyder (1969-1981)

Delineado por Pininfarina e construido á mão por Scaglietti. Esta versão California, foi mesmo pensada para desfilar nas avenidas solarengas. Qualquer que seja a faixa étaria, qualquer um ficava bem destro deste carro. Em 2010 um exemplar foi vendido por quase 11 milhões.

10 - Chevrolet Corvette sting ray (1962-1967)

Um dos mais belos carros americanos! Com potências entre 250 cavalos e 435cv. Foi o primeiro carro desportivo inteiramente americano fabricado por uma empresa americana. No início da década de 1950, os carros desportivos europeus com os seus designs arrojados faziam sucesso pelo mundo inteiro, enquanto que o mercado americano só possuía, os pesados Cadillacs e Buicks. Nesse período a General Motors atravessava um momento crítico.Mas foi um dos carros que relançou os motores americanos.

9 - Alfa Romeo 8C 

Considerado o carro mais bonito de 2009. A top gear disse que era "o mais inovador e emocionante de todos os carros lançados". A carroceria é feita em fibra de carbono, e atinge os 293 km/h de velocidade máxima.A sua aceleração 0-100 km/h é de 4,2 segundos. O motor é um 4.7 V8 montado pela Ferrari.

8 - Citroen DS 1955

O Citroën DS foi comercializado desde 1955 a 1975. Desenhado pelo escultor italiano e designer industrial Flaminio Bertoni e pelo engenheiro aeronáutico francês André Lefèbvre, o DS ficou conhecido pela sua carroceria aerodinâmica de design futurístico e pela tecnologia inovadora, que incluía uma suspensão hidropneumática. Era mais uma obra de Bertoni. Parecia que vinha de um filme de ficção cientifica! Oferecia três níveis de altura, dos quais o mais baixo só poderia ser utilizado em auto-estradas. As rodas da frente tinham diâmetro maior que as traseiras, além de tudo isto foi um carro que marcou o mundo automovel.


7 - Ferrari Dino (1968-1976)

Alguns afirmam que o Dino é um modelo da Ferrari equipado com motor V6 central. Que foi produzido para homenagear a Alfredo Ferrari, filho de Enzo Ferrari mais conhecido como Dino, que morreu devido a Distrofia muscular. Por outro lado existem os que dizem que Dino foi um Ferrari de baixo custo, construido a grande escala, com um motor com menos de 12 cilindros, Enzo parece que dizia que nunca devia merecer o emblema do "cavallino rampante"

"Uma revolução de proporsções, com motor central, volúpia dinâmica e expressão de olhar típica dos anos 60. Aquela traseira em forma de dardo é pura história e identidade. A razão pela qual entrei nesta atividade"  J.Mays vice presidente e director criativo do grupo Ford

6 - Ford GT40 (1964-1969)

Ford GT40 foi um carro da Ford, criado por ordens de Henry Ford II para correr nas 24 Horas de Le Mans e destruir o reinado da Ferrari. Para Henry Ford II era questão de honra bater a Ferrari em seu território de domínio. E conseguiu com louvor. Foi este o carro mais importante para a Ford, além de destronar a Ferrari, foi quem deu um novo folgo á Ford, depois de anos de dominio da Chevrolet no mercado Americano.

"Agressivo mas belo" 
Shiro Nakamura - vice presidente e criativo da Nissan

5 - Lamborghini Miura (1965-1972)

O Lamborghini Miura é largamente considerado o marco inicial dos carros desportivos de alta performance, dois lugares e motor central. Na época de seu lançamento, o Miura SV era o carro mais veloz disponível no mercado um verdadeiro exótico.
Mesmo depois destes anos o Miura tem um desempenho ainda invejável. Com quase 400 cavalos de força, faz 4,6 segundos dos 0 aos 100.
O Miura foi também o primeiro Lambo a receber o nome de um touro, tradição essa que ainda hoje perdura.

4 - Lancia Stratos

Lancia Stratos foi um carro feito inteiramente para o rali durante a década de 1970 e o início da década de 1980. Com apenas  492 produzidos, o Stratos é hoje em dia muito raro. Existia um mito que o carro de rallye mais fotografado foi o Alpine A110, contudo, a estatística desmente esse mito - o carro mais fotografado foi a Lancia Stratos .
O Stratos é um tipo anti-social,  bad-boy que todos admiram. Foi criado pelo designer Marcello Gandini, e a "Carrozzeria" foi desenvolvida por Bertone, o mesmo que fez as Lamborghinis Miura e Countach. Aliás, o o conceito Stratos era um desenvolvimento da Alfa Romeo.
Ao contrário do que muitos pensam o Stratos não era frágil, os que dizem isso ainda têm muito que aprender sobre carro. O carro é um autêntico tanque de guerra, os tipos da Lancia conseguiram dar uma durabilidade no motor da Ferrari Dino, que a própria Dino não tem. Sabe o que quer dizer as siglas "HF" ? "high fidelity".

3 - Mercedes 300 SL Gullwing (1954-1957)

Ano de 1952 e o 300 Sl, conhecia glórias na mais importante prova, Le mans. O modelo apaixonou os fãs  e 54 a Mercedes lançou um modelo para estrada.Já naquele tempo o motor de seis cilindros e três litros, utilizava injecção directa a gasolina.Embora não fosse o primeiro carro com injeção de combustível, foi o primeiro a injetar a gasolina diretamente nos cilindros, uma inovação que lhe permitia atingir uma velocidade máxima de 260 km/h – apesar da sua caixa manual de apenas 4 velocidades – tornando o 300 SL Coupé, no carro de produção mais rápido do seu tempo. Mais do que um verdadeiro GT, o Mercedes-Benz 300SL Coupé ganhou uma reputação formidável, não só de elevado desempenho, mas também pela sua qualidade de construção excepcional e design avançado, quando comparado aos desportivos da mesma época.

"Proporções incriveis, um equilibrio perfeito. Poderoso em toda a sua linha. E, claro, as portas em borboleta são um must"
Thierry Metroz director de design da citroen

2 - Jaguar E-Type (1961-1974)

O jaguar E-type foi o melhor carro que alguém poderia comprar, era barato comparado com outros desportivos, Porsche, Ferraris ou Aston. A sua boa aparência fazia virar muitas cabeças por onde passava, aliado a um alto desempenho, fez dele um ícone do automobilismo em 1960. Um grande sucesso para a Jaguar, pois vendeu mais de setenta mil e-Types. Tanto que foi comprado por grandes personalidades como George Best, Brigitte Bardot, Tony Curtis e Steve McQueen.
O E-type é a prova de que a beleza não tem idade, com ar felino, as suas formas dão a sensação de movimento, mesmo quando está parado.
O E-type sofreu várias alterações nas suas verões que começaram em 1961 e terminou em 1974, a ultima versão tinha motor V12, 5,3 litros e 272 cv.

"Nenhum outro carro é tao equilibrado tendo uma frente tão longa"
Ikui Naeda - responsável pela divisão design da Mazda










BMW 507 que pertenceu a Elvis


No museu da BMW, em Munique, podemos agora encontrar o BMW 507 Roadster de 1957 comprado novo por Elvis Presley, exemplar que será restaurado de modo a preservar este raro modelo que viu apenas 254 unidades produzidas.

Originalmente branco, este exemplar foi anteriormente utilizado pela BMW para ser um rival do Mercedes Sl300, tendo corrido nas mãos de Hans Stuckdeste, e sofrendo variadas modificações ao longo do tempo, desde a passagem a vermelho garrido típico da Porsche, à substituição do motor por um Chevrolet V8.

Foi quando Elvis como militar do Exército dos EUA, foi destacado á Alemanha e se deparou com o intemporal do 507, com umas linhas a que ninguém ficaria indiferente. Naquela época Elvis esteve para comprar o Porsche 550 Spyder, mas gostou mais do 507 com nova transmissão de quatro velocidades e um motor de 150 cv.

Existe alguma controvérsia quanto á pintura original do carro. Alguns afirmam que Presley teria gostado do tom vermelho de batom que alguém deixou no carrro e resolveu pintar de vermelho, sendo que incialmente seria branco.  Outros defendem que Elvis tinha dois carros iguais um branco e um vermelho - mas Bimmer e muitas outras fontes dizem que Presley teria repintado para vermelho, uma teoria apoiada pelo facto de que as fotos de Presley durante o seu serviço militar na Alemanha está num carro branco.

Entretanto já nos EUA a personalidade de rádio Tommy Charles comprou, tendo-lhe sido dito que Elvis era antig dono do carro. Charles decidiu equipar o 507 com um novo motor, Chevrolet V-8, Borg-Warner transmissão de quatro velocidades supercharged. È possivel ainda observar um adesivo do revendedor do centro de Birmingham Alabama colado no 507.

Quando a BMW descobriu o 507 em 2009, o escritor Jackie Jouret, chamou-lhe um dos modelos verdadeiramente lendários da BMW: "Se há um Santo Graal entre BMWs, é istoo", escreveu Jouret. Mesmo assim, no entanto, houve alguma hesitação para identificar se seria mesmo o carro que outrora pertenceria a Elvis, mas todas as provas apontavam a essa conclusão, mas nenhuma documentação definitiva esclarecia que seria de  Elvis Presley, apenas a placa com o numero 70079. A BMW já anunciou que o vai restaurar no entanto está em exposição no museu até 10 de agosto...




7 vicios ao volante que danificam o seu carro

1 - Não verificar a pressão dos pneus regularmente

Pode causar um desgaste irregular, provocando desgaste prematuro o que obriga a gastar dinheiro extra num novo jogo de pneus. Além que um pneu em mau estado pode originar um acidente. O que fazer? Pelo menos uma vez por mês deve verificar a pressão dos seus pneus, para garantir uma maior duração dos mesmos.

2 - Acelarar com o motor ainda frio

Quando o motor está frio, grande parte do óleo ainda se ecnontra depositado no cárter. Por isso, quando arrancamos, o motor necessita de algum tempo para levar o óleo ás partes funcionais do motor. Sendo grande parte do desgaste do motor se dá no periodo em que o motor está frio.
O que fazer? O ideal seria esperar 30 segundos a 1 minuto antes de arrancar com o carro, principalemente no primeiro arranque do dia, mas se é daqueles que só quer dar á chave e arrancar, tente não ultrapassar as 2100rpm num motor diesel e as 3200rpm num motor a gasolina.

3 - Encostar o pé na embraiagem 

Este é um hábito mau, provoca um maior desgaste da embraiagem e de todos os componentes associados, como rolamento de encosto por exemplo.

4 - Circular com o motor a baixas rotações

Este tipo de condução "domingueira" pode trazer problemas. Principalmente no caso dos diesel, equipados com filtro de particulas e valvula EGR, acumulam mais carvão, reduzindo a vida util do filtro de particulas DPF em 50%, nos motores a gasolina acontece que pode danificar o catalisador, transformando-se num depósito de carvão. Que fazer? Tente andar em rotações ideiais, ou seja rotaçoes onde quando se pise o pedal do acelarador o carro responda rapidamente, se puder tente fazer AE periodicamente.

5 - Desligar o motor, depois de ter atingido altas rotações

Os motores com turbo, quando se exige mais do motor ou quando se vêm de uma viagem longa, deve-se esperar 2 minutos antes de desligar o motor. O turbo pode atingir temperaturas na ordem dos 300ºC e 500ºC nos motores a gasolina. Se não deixar-mos que haja o chamado "turbo-timer" pode ter têndência a carbonizar e a turbina fica a girar em seco, sendo que houve o "corte" e não há lumbrificação. Que fazer? 2 minutos são suficientes para que haja a tal refrigeração, reduzindo avaria do turbo para 70%.


6 - Conduzir com mão apoiada na caixa de velocidades

Quando se leva a mão apoiada na manete de velocidades durante a condução, está-se a exercer uma pressão nos mecanismos internos da caixa de velocidades, a longo prazo pode-se vir a ouvir vibrações.

7 - Conduzir com o carro na reserva

Conduzir com o depósito na reserva, pode a longo prazo vir a danificar a bomba de combustivel.Nos automóveis com injecão, a bomba que é eléctrica esta submergida no tanque de combustivel, por isso deve ter combustivel suficiente para garantir a lumbrificação da mesma.

Criador do McLaren F1 acha que os hipercarros híbridos estão indo na direção errada


Gordon Murray! Não lhe diz nada? Gordon Murray é considerado quase um deus no mundo dos automoveis. Porquê?  Motivos não faltam: ele foi o responsável pelos grandes carros de Fórmula 1, que renderam a Nelson Piquet dois títulos mundiais, participou diretamente dos McLaren MP4/4 e MP4/5, que deram a Ayrton Senna outros dois títulos, e mais tarde deixou a Fórmula 1 para trabalhar naquele que se tornaria o supercarro definitivo: o McLaren F1.
McLaren F1 1994

Sendo assim tão ligado á Mclaren você deve imaginar que ele tenha gostado do sucessor de sua obra-prima, o McLaren P1 certo? Errado. Na verdade ele nem sequer considera o P1 um sucessor digno do seu McLaren F1, aliás Murray afirma que todos os super carros hibridos estão a ir na direcção errada.

Numa entrevista dada aos organizadores do festival de Goodwood.
Murray foi questionado, se achava que o McLaren P1, a La Ferrari e o Porsche 918 representam a evolução natural do McLaren F1. Eis o que ele respondeu:

" Esses carros foram por uma direção completamente diferente do F1. Vejo esses carros mais como um exercício técnico. Não digo que o P1 não seja um bom carro, mas ele está a 180 graus de distância daquilo que o McLaren F1 foi projetado para ser. 
O F1 era um carro puro, uma obra de arte mecânica e também um carro que você pode usar todos os dias. Ele era rápido , mas nunca foi projetado para chegar a 390 km/h. O mais importante é que você poderia levá-lo àté á pista e ainda conseguiria usá-lo nas ruas no dia a dia. Poderíamos ter facilmente dado a ele três ou quatro vezes mais downforce, mas para que servia isso?”

Na verdade Gordon Murray tem uma certa razão, automóveis como McLaren P1, La Ferrari, para um humano comum, será um carro que nunca irá ser explorado na totalidade. Quando se tenta explorar o máximo de um carro desses, existe grande probabilidade de existir um possivel acidente. Ou você é um piloto profissional, ou então dificilmente irá explorar o limite de um hiper carro destes. Na verdade, um KTM X-bow ou um Seven dá para proporcionar as mesmas doses de adrenalina e não custa tanto, ou até um fiat 500 abarth, BMW ou qualquer automovel com tracção traseira.

Quando questionado sobre como seria o Mclaren F1 se ele fosse projetado hoje, Murray apenas disse que nada mudava no F1, apenas lhe acrescentava uns pneus mais modernos, controle de tração e uma caixa de velocidades mais rápida, e voila, seria tão rápido como um La Ferrari. Não esquecer que o F1 foi em 1994.

Mas acha que Murray está enganado?
O McLaren F1 vai de zero a 100 km/h em 3,5 segundos e tem velocidade máxima limitada por corte de injeção aos 386 km/h. Mais velocidades e trocas mais rápidas poderiam reduzir facilmente esse tempo e aumentar significativamente a velocidade máxima. Um pouco de eletrônica para domar o arranque e melhorar a tração ajudaria ainda mais. E não se esqueça que o F1, nem foi projectado para bater record de velocidade máxima, o Veyron atinge muita velocidade máxima, mas quantos radiadores têm? 10 radiadores e alias, o Veyron só ultrapassa o F1 já muito embalado porque o F1 de 1994 continua a ser o carro atmosférico mais rápido do mundo.

Pode ler mais sobre Veyron vs F1 aqui

Para Murray, o grande desafio do futuro é fintar o peso dos carros. O McLaren F1 foi feito com 1.138 kg e 636 cv. O McLaren P1 tem 1.490 kg e 903 cv, o Porsche 918 Spyder tem 1.700 kg e 899 cv, e a LaFerrari pesa 1.255 kg (sem fluidos) e tem 963 cv. A potência aumentou, mas o peso subiu igualmente. Murray acha que os motores não irão evoluir para sempre em termos de potência (se você parar para pensar, ele tem razão) e por isso é essencial contornar os desafios do aumento de peso dos desportivos

Atualmente, Murray está a trabalhar em minicarros urbanos, como  T.25 e o Yamaha Motiv.

"Quero muito fazer mais um supercarro, mas quero fazer só porque existem esses monstros híbridos de uma tonelada e meia . Eu teria parado no F1, mas agora há algo mais a ser provado: que você ainda pode fazer um desportivo excelente com um motor movido à combustão interna e mecanicamente puro.”

"Estou desesperado para produzir o meu desportivo acessível. Há um bom nicho de mercado para ele. Como ele vai ser? Simples, aspirado, leve, tração traseira e bastante rígido e fiavel”

Fonte: http://www.flatout.com.br
adaptação Pt-pt: Ricardo Ramos